Especialistas

Taxa de Prenhez impacta diretamente na rentabilidade de empresas rurais

4ª edição do Índice Ideagri do Leite Brasileiro (IILB) aponta ampla margem de melhoria no desempenho do rebanho nacional.

Responsável por medir o percentual de vacas que ficam prenhes em relação ao número de vacas aptas a cada 21 dias, a Taxa de Prenhez, que engloba a Taxa de Concepção e a Taxa de Serviço, é um índice que merece atenção dos produtores pelo impacto econômico que gera.

Este indicador foi o objeto de análise da 4ª edição do Índice Ideagri do Leite Brasileiro (IILB), que avaliou informações das fazendas de quase 1.000 fazendas, entre outubro de 2018 e setembro de 2019. Além da análise específica da Taxa de prenhez, o IILB 4 também avaliou a nota global de desempenho, que vai de 0 a 10, considerando 12 indicadores (inclusive a taxa de prenhez) e a nota média geral do país foi de 4,07. As fazendas Top 10% IILB obtiveram nota 6,64.

Heloise Duarte, CEO da Ideagri explica que o indicador Taxa de Prenhez também pode prever o Intervalo Entre Partos (IEP), uma vez que boas taxas de prenhez correspondem a baixos intervalos entre partos. A taxa, que pode ser obtida em um curto espaço de tempo, permite a implementação de ações corretivas em tempo hábil. “Simples ajustes no manejo, que não demandam necessariamente grandes investimentos financeiros, podem surtir efeito na taxa e na lucratividade da fazenda”, comenta.

Considerando a diminuição da produtividade de leite no final da lactação com o prolongamento do IEP, estima-se uma queda de 70 ml de leite por dia por matriz (considerando uma produção de 6.000 litros/lactação). Em termos de rebanho, um aumento no IEP de 1,9 meses (valor identificado na média geral das fazendas quando comparada ao Top 10%), por exemplo, aumenta o DEL (dias em lactação) médio do rebanho em 29 dias, o que se traduz em 2 litros de leite a menos, por vaca por dia.

Espaço para melhorias

Os dados revelam que o desempenho do rebanho nacional tem uma margem ampla para a melhoria de desempenho e incremento de produtividade. “E esta edição do IILB já aponta sinais de recuperação. Após duas quedas consecutivas, o índice médio geral das fazendas, com relação à Taxa de Prenhez, demonstrou uma ligeira alta com relação ao IILB 3, saindo de 15,01% para 15,39%”, afirma.

A Taxa de Prenhez é um indicador que merece toda a atenção do produtor, por mais que necessite de ferramentas adequadas para seu cálculo. Ela indica a velocidade na qual as vacas emprenham após o parto. Quanto mais elevada for a taxa, maior o número de vacas gestantes no terço inicial da lactação, menor o número de dias improdutivos e menor a chance de descarte de vacas vazias e secas. “Consequentemente, maior será a lucratividade do sistema de produção.

Como a taxa de prenhez engloba a taxa de concepção e a taxa de serviço, aprofundamos a análise do editorial da 4º ed. do IILB e identificamos, com base em dezenas de milhares de inseminações, que a maior discrepância entre a média geral e os mais eficientes está na taxa de serviço – que, resumidamente, é a capacidade de identificar corretamente o momento no qual a matriz deve ser inseminada. Na média geral, a taxa de serviço foi de 45,9% e , nos 10% mais eficientes foi de 59,9%. A boa notícia é que é mais fácil e barato atuar sobre a taxa de serviço do que sobre a taxa de concepção, assim sem dúvidas, temos uma grande oportunidade de aprimorar a eficiência reprodutiva de nossos rebanhos leiteiros.”

Taxa de Prenhez impacta diretamente na rentabilidade de empresas rurais 1

TABELA – ANÁLISE DA TAXA DE SERVIÇO, TAXA DE CONCEPÇÃO E TAXA DE PRENHEZ E COMPARAÇÃO ENTRE TOP 10% E DEMAIS FEITA COM BASE EM 70% DOS REBANHOS (639) CONSIDERADOS PARA O IILB4

O IILB

Lançado em março de 2019, o Índice Ideagri do Leite Brasileiro (IILB) possui divulgação trimestral e é um balizador de referência e eficiência zootécnica de fazendas brasileiras. Sua geração obedece a critérios rigorosos aplicados sobre os dados da plataforma web do sistema de gestão Ideagri, trabalhados de forma genérica (todos os rebanhos possuem o mesmo peso) e sigilosa. Para conferir todas as edições do IILB, basta acessar www.iilb.com.br.

4ª edição do IILB: www.iilb.com.br

Etiquetas
Continuar lendo

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Artigos relacionados

Botão Voltar ao topo
Fechar
Fechar