O feijoeiro (Phaseolus vulgaris L.) além de ser uma leguminosa importante ao consumo humano, sendo rica em proteínas e aminoácidos, também é uma cultura que pode ser utilizada para diversificação de renda em propriedades rurais

Contudo, dentre as etapas de produção desta cultura, a colheita é uma das mais importantes uma vez que se a mesma for mal processada pode acarretar em perdas, danos mecânicos e provocar o escurecimento dos grãos interferindo de maneira decisiva na qualidade do produto e no seu valor comercial.

A colheita mecanizada pode ser direta ou indireta, sendo na primeira empregadas colhedoras combinadas, que realizam simultaneamente todas as operações, enquanto que na colheita indireta se utilizam equipamentos como o ceifador enleirador e a recolhedora-trilhadora em operações distintas.

No Brasil, em virtude dos problemas inerentes à cultura e inexistência de uma ampla linha de produtos específicos e adequados para a cultura do feijão, bem como em muitos casos da inviabilidade do uso de colhedoras convencionais, Silva e Silveira relatam que a colheita dessa leguminosa tem sido realizada predominantemente de maneira indireta, com mecanização nas operações de recolhimento e trilha, sendo esta operação realizada por uma máquina denominada recolhedora-trilhadora.

Dentre os fatores que podem vir a interferir no desempenho operacional ou na qualidade da operação realizada pelo conjunto trator-recolhedora-trilhadora, as condições de desenvolvimento da cultura bem como os tratos culturais e as condições do terreno podem acarretar em perdas durante o processo de colheita.

Furlani et al. relatam que o tipo de preparo de solo no terreno pode influenciar no desempenho operacional do trator, sendo que as áreas de plantio direto apresentaram menores índices de patinagem, contudo com maior consumo de combustível em algumas operações. Autores, a exemplo de Gabriel Filho et al., estudaram o desempenho operacional de tratores agrícolas em diferentes condições de tipos e preparo de solo, bem como Silva et al que avaliaram o desempenho do conjunto trator-recolhedora-trilhadora na operação de colheita de feijão, contudo em nenhum caso utilizando ferramentas que buscam manter a qualidade nas operações.

Veja também  Taques participa do lançamento da colheita de milho em Primavera do Leste

De acordo com Toledo et al.  o controle estatístico de processo (CEP) busca melhoria da qualidade do processo pela redução da variabilidade, porém não existe processo ausente de variabilidade, assim a solução é manter o processo dentro de padrões de estabilidade.

Diante o exposto, pressupõe-se que os sistemas de preparo do solo podem afetar o desempenho operacional do conjunto trator-recolhedora-trilhadora e que o emprego de ferramentas de qualidade auxilie na análise das variáveis buscando a qualidade no processo; este trabalho teve como objetivo avaliar a operação da colheita mecanizada de feijão cultivado sob os sistemas de preparo convencional do solo e plantio direto, sob a estatística descritiva e o controle estatístico de processo (CEP).

Clique aqui para ler o artigo na íntegra.

Fonte:  Revista Ciência Agronômica – UFC

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: