Engenheiro agrônomo comenta sobre a utilização de fertilizantes premium e defende a necessidade de micronutrientes em produtos de primeira ordem.

De acordo com a Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação (FAO), o aumento do poder aquisitivo e o maior acesso e consumo de alimentos podem acarretar em problemas relacionados à segurança alimentar. Um fenômeno já identificado na Europa e na Ásia Central mostra que, mesmo com o maior acesso aos alimentos, há deficiência nutricionais nos indivíduos. Ficou evidente que, por mais que a subnutrição tenha sido superada, ainda há deficiência de micronutrientes.

No Brasil, o cenário não é muito diferente. Segundo a entidade, a crise econômica, o aumento do desemprego e a falta de um programa de segurança alimentar adequado podem aumentar o número de pessoas subnutridas. O último levantamento da FAO mostra que 2,5% da população brasileira estão nessa situação e que mais de 800 milhões de pessoas em países em desenvolvimento estão desnutridas. A falta de diversidade alimentar ou escassez de alimentos são algumas das características da subnutrição. Além dessas, a ausência de nutrientes (vitaminas e minerais) em alimentos essenciais, como arroz, trigo e milho, também contribui para esse cenário. O engenheiro agrônomo da Yoorin Fertilizantes Vinádio Bega acredita que novas tecnologias podem contribuir para que os alimentos possam ser biofortificados.

“Os micronutrientes são de extrema importância para a população. A baixa concentração de vitamina A, ferro, zinco e iodo, por exemplo, são responsáveis por mudanças no sistema imunológico, diminuição da resistência em doenças infecciosas, anemia, alterações no desenvolvimento cerebral e até mesmo no aumento da mortalidade infantil e materna”, afirma Vinádio.

A agricultura pode reverter esse quadro desde a plantação. Após uma análise química do solo, podem ser identificadas possíveis deficiências de micronutrientes na região. Com isso, hoje são adotadas algumas estratégias, como o uso de fertilizantes premium de liberação gradual que não envolvam processos químicos em sua confecção – um tipo de insumo que causa menos impacto ao meio ambiente.

Veja também  Plantio adiantado da soja em MT favorecerá semeadura do milho segunda safra

“Observamos por muito tempo um movimento dos agricultores preocupados apenas com o incremento da produtividade. Hoje isso mudou: estamos observando consumidores mais críticos e seletivos em suas escolhas nutricionais, e isso também reflete no campo”, avalia o engenheiro agrônomo.

A utilização de defensivos químicos em excesso, sem zelo por parte do produtor, e um preparo do solo irresponsável podem acabar com os micronutrientes necessários para um alimento sadio e diferenciado. Contudo, percebendo essa realidade, os produtores passaram a analisar melhor os aspectos relacionados à nutrição do solo. Um estudo publicado no Journal of Experimental Botany, da Universidade de Oxford (EUA), comprovou que, para haver uma biofortificação do produto final, devemos mudar toda a cadeia, passando por uma biofortificação genética da semente e uma biofortificação agronômica a fim de obter alimentos ricos em micronutrientes. “Os produtores automaticamente já fazem a seleção genética das melhores mudas. Isso já é um passo importante, mas para ter o aumento de teores de minerais por meio de práticas agronômicas, existem diversas opções, inclusive as que não impactam o meio ambiente”, lembra Vinádio.

O uso de fertilizantes premium é essencial para um preparo adequado da terra. Como o solo brasileiro é muito ácido, alguns produtos, como o fertilizante termofosfato, equilibram o PH, corrigindo a acidez, não agridem a microbiota já presente e protegem o fósforo. Também são insolúveis em água, o que faz com que sejam absorvidos pelas plantas apenas quando necessário, além de serem fonte de silício, cálcio, magnésio e outros micronutrientes.

“O silício do termofosfato magnesiano pode deformar as mandíbulas de larvas, como a “broca da cana”, além de proteger de certos tipos de fungos. No mais, um nível equilibrado de magnésio, também presente no termofosfato, atua no sistema radicular das plantas, na clorofila e também na fotossíntese, tornando-as mais fortes e sadias”, comprova o engenheiro agrônomo.

Veja também  Como anda a intensificação no MT

Sobre a Yoorin Ferilizantes

Fundada em 1966, a Yoorin Fertilizantes, antiga Mitsui Fertilizantes, é especializada em transformar minerais em fertilizantes diferenciados de alta eficiência agronômica. A companhia foi adquirida pelo Grupo Curimbaba em 2010 e, desde então, cresceu 15,7%. Atualmente, tem potencial produtivo de 400 mil toneladas de fertilizantes por ano, atendendo 800 mil hectares de lavouras. São mais de 660 clientes ativos, entre cooperativas, representantes e produtores. A Yoorin é a primeira empresa de insumos do mundo a ter o selo ProTerra de Sustentabilidade, além de obter certificação como insumo aprovado para uso em agricultura orgânica pelo IBD, pelos fertilizantes Yoorin, Yoorin-K e Ekosil.

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: