GeralNotícias

Produtor já pode acessar financiamento de custeio do milho safrinha

Após pedido da FAEP, Banco Central aprova alteração nas datas de colheita para acesso a crédito rural

Após pedido da FAEP, Banco Central aprova alteração nas datas de colheita para acesso a crédito rural

No dia 11 de dezembro, o Banco Central do Brasil autorizou a possibilidade de alteração das datas de colheita da soja informadas nas operações de crédito rural já contratadas. A determinação garante que os produtores rurais do Paraná tenham acesso ao financiamento de custeio do milho segunda safra, após mudanças feitas no Zoneamento Agrícola de Risco Climático (Zarc), em setembro de 2020, pelo Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa).

Essa mudança no processo aconteceu porque, no dia 3 de novembro, a FAEP solicitou ao Banco Central, via ofício, para que o Sistema de Operações do Crédito Rural e do Proagro (Sicor) passasse a permitir alterações nas datas de colheita da oleaginosa, mediante apresentação de laudos técnicos. O pedido foi oficializado pelo Mapa no dia 13 de novembro, em resposta ao ofício da Federação.

Siga-nos: Facebook | Instagram | Youtube

Com a medida, o Sicor passa a admitir alteração nas datas de início e fim de colheita das operações de custeio da safra de soja 2020/21 no Paraná, permitindo o acesso ao crédito de custeio do milho safrinha pelos produtores. Ou seja, aqueles que se adequaram às novas regras do Zarc e plantaram variedades da oleaginosa com ciclo menor do que a inicialmente informada na contratação, poderão antecipar a colheita e plantar milho safrinha dentro do período estipulado pelo zoneamento.

As mudanças no Zarc foram instituídas após reavaliação da metodologia para determinação dos riscos climáticos apontados pela Embrapa. Com isso, o Mapa antecipou o limite para o plantio do milho, passando do dia 20 de fevereiro para o dia 31 de janeiro em diversos municípios paranaenses. Ainda, os períodos de plantio permanecem os mesmos divulgados na Portaria 301/2020, publicada em 21 de setembro. Isso porque, mesmo após solicitação do setor produtivo, o Mapa entendeu que a reduções de janelas de plantio são necessárias em função do ciclo mais alongado do milho nas regiões mais frias do Estado, com maior rico de geadas e perdas de qualidade em função das condições propícias à germinação na espiga.

Segundo o Banco Central, “caberá à instituição financeira se certificar de que o ciclo da cultura de soja utilizado na safra de verão permitirá a colheita da soja e, na sequência, o plantio do milho segunda safra até 31/01/2021”. Essa possibilidade será válida apenas para este ano agrícola. Na próxima temporada, as novas regras já estarão incorporadas pelo setor produtivo e não haverá sobreposição dos calendários de cultivo.

Por Sistema FAEP/SENAR-PR

AGRONEWS BRASIL – Informação para quem produz

peixe br
Mostrar mais

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Artigos relacionados

Botão Voltar ao topo