Com 2.500 produtores cadastrados no Instituto de Defesa Agropecuária de Mato Grosso (Indea), sendo 10 de alevinos e uma produção de mais de 62 mil toneladas a cadeia da piscicultura está em pleno desenvolvimento em Mato Grosso.

O estado conta ainda com sete fábricas de ração para peixes e 11 frigoríficos.

De acordo com o presidente da Aquamat, Daniel Melo, apesar do mercado promissor e da cadeia estar em pleno desenvolvimento, ainda há muitos desafios a serem vencidos. Dentre eles, o de integrar todos os elos da cadeia. Outro é a estimulação da segmentação da produção de alevinos, recria e engorda.

“Mas não é só isso, há ainda a necessidade de investimento em pesquisa de melhoramento genético das espécies nativas e híbridos e a capacitação de mão de obra”.

Para atender a necessidade de mão de obra capacitada demandada para atender a cadeia produtiva da piscicultura, o Serviço Nacional de Aprendizagem Rural de Mato Grosso (Senar-MT) oferece diversos treinamentos. Dentre eles, um de construção de viveiros escavados, tanques – redes e monitoramento da água, piscicultura, planejamento e desenvolvimento da piscicultura. Além destes, o SENAR-MT em parceria com os sindicatos rurais também oferece um treinamento de 40 horas de transformação caseira de produtos de origem animal em embutidos, defumados e beneficiamento e conservação do pescado.

NO BRASIL

A piscicultura brasileira produziu 697 mil toneladas de peixes de cultivo em 2017. A informação é da Associação Brasileira da Piscicultura (PEIXE BR) e faz parte do Anuário da Piscicultura Brasileira – edição 2018 publicado recentemente. A tilápia é a mais importante espécie de peixes cultivado no Brasil. Segundo levantamento da Associação Brasileira da Piscicultura, a espécie representa 51,7% da Piscicultura nacional, com 357.639 toneladas em 2017.

A segunda posição não é de uma espécie em si, mas de uma categoria de peixes: os nativos. De acordo com a pesquisa da PEIXE BR, liderados pelo tambaqui os nativos representam 43,7% da produção brasileira: 302.235 toneladas. Outras espécies, entre as quais destacam-se Carpas e Trutas, representam 4,6% da produção brasileira de peixes de cultivo em 2017, com 31.825 toneladas. A pesquisa da PEIXE BR em todo o Brasil mostra, pela primeira vez, os números da tilápia no país, comprovando sua viabilidade em termos produtivos e como negócio, já que a espécie está presente nos maiores e mais recentes empreendimentos, sobretudo na região Sul/Sudeste.

Em 2018 foi sancionada a lei 10.669, que entre outras alterações na legislação atual, autorizou a produção de peixes exóticos em sistemas de tanque rede. É importante lembrar que antes era autorizado apenas em viveiros escavados. Essa alteração vai proporcionar, em pouco tempo, um aumento considerável na produção de peixe em Mato Grosso.

Fonte: SENAR/MT

Deixe um Comentário

Seu endereço de e-mail não será publicado.