O mel brasileiro é conhecido mundialmente e o estado do Piauí é um dos maiores produtores do país. É no polo apícola da cidade Picos, também chamada de capital do mel, que a produção do alimento é destinada ao mercado interno e à países como Canadá, Estados Unidos, Alemanha e Itália. A mão de obra é, em quase sua totalidade, de agricultores familiares.

 Desde 2005, a Central de Cooperativas Apícolas do Semiárido Brasileiro (Casa Apis) investe na capacitação e organização dos agricultores familiares e hoje atende 900 famílias rurais. Dividas em cinco cooperativas e distribuídas em 35 municípios piauienses, atualmente é reconhecido o seu sucesso de comercialização.

De acordo com o presidente da Casa Apis, Antonio Leopoldino Dantas, a apicultura no semiárido é uma ótima atividade para a agricultura familiar por conta da facilidade de adaptação da abelha africanizada (apis mellifera) ao clima quente que, mesmo com a escassez da chuva, consegue produzir. Destaca-se também a florada em abundância existente na região e o fato de o produtor não precisar de muito espaço para o cultivo, pois o inseto busca água e néctar em um raio de 6 km.

De acordo com Dantas, o que abriu as portas para novos mercados internacionais foi a participação na Biofach, durante cinco anos consecutivos (2011-2015). Nestes eventos, foram feitos contatos com clientes importantes. Leia mais sobre como a Secretaria Especial da Agricultura Familiar e do Desenvolvimento Agrário (Sead) apoia os agricultores na feira.

A Casa Apis se beneficia de outra importante política da Sead: o Selo da Identificação da Participação da Agricultura Familiar (Sipaf), que representa hoje mais oportunidades para atuar em redes de supermercados nacionais. “O selo é muito importante para a nossa identidade, pois prova que somos economia solidária e nos dá acesso reconhecido em mercados expansivos”, afirma Antonio Dantas, com entusiasmo.

Veja também  Evento divulga variedade de abacaxi resistente

Produção

São mais de 50 mil colmeias cultivadas em propriedades familiares, mas o processo de manejo do alimento é realizado apenas nas casas de mel, com inspeção e autorização do Sistema Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa). São 42 casas registradas que levam toda a produção para Casa Apis, e de lá, o “ouro líquido do semiárido” é distribuído para redes de mercados nacionais e para os países norte americanos e europeus. No ano de 2016, os produtores coletaram 90 mil toneladas de mel.

Vendido à R$ 12 o quilo, os apicultores piauienses conseguem faturar mais com o alimento quando há comparação com produtores de outras regiões do país. No ano passado, o faturamento das vendas foi de R$ 14 milhões. Apenas 3% é retirado para a Casa Apis, o restante é repassado para os agricultores familiares cooperados e associados.

Como adquirir o Sipaf

O Selo da Identificação da Participação da Agricultura Familiar é importante para a identidade e o diferencial competitivo dos agricultores familiares. De acordo com a coordenadora do Sipaf, Simone Barreto, quando um produtor, individualmente, ou via associação, cooperativa ou empresa familiar, solicita o selo, ele se identifica como agricultor familiar e se sente reconhecido pelo poder público. “Numericamente nós sabemos que a agricultura familiar é muito grande, que ela chega a nossa mesa todos os dias. Mas visualmente é muito difícil identificar e o selo é um identificador social importante para a categoria”, afirma.

O agricultor que deseja solicitá-lo precisa ter a Declaração de Aptidão ao Programa Nacional de Fortalecimento da Agricultura Familiar (DAP) ativa; a carta de solicitação; a proposta, com a descrição dos produtos cultivados; e uma declaração de exigências legais.

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: