O agronegócio brasileiro acaba de ganhar esta semana uma importante ferramenta que promete dar maior competitividade ao escoamento de produção.

O MAPA lançou o Sistema de Inteligência Territorial Estratégica da Macrologística Agropecuária, uma plataforma online desenvolvida em parceria com a Embrapa Territorial.

O sistema, que já está disponível na internet, mostra a origem, os caminhos e o destino dos principais produtos da agricultura e da pecuária nacional. O objetivo da iniciativa é auxiliar o produtor na ampliação da competitividade de dez cadeias agropecuárias brasileiras: soja, milho, café, laranja, cana-de-açúcar, algodão, papel e celulose, aves, suínos e bovinos. Juntas, elas representam mais de 90% da carga agropecuária do País.

De posse destas informações, o empresário pode decidir pelas melhores rotas e modais de transporte para escoar sua produção. “O estudo da Embrapa, feito a pedido do ministério, está à disposição de todo o governo e da sociedade, identificando as melhores intervenções a serem feitas em logística para aumentar a competitividade do setor agropecuário”, disse o ministro Blairo Maggi durante o lançamento, na última quarta-feira, dia 7,

A plataforma mostra os modais de transporte e a infraestrutura de armazenagem e processamento utilizados até chegar a cada porto, em cada uma das dez cadeias estudadas. No caso do milho e da soja, estudo realizado pelo sistema mostrou que 47% das cargas já chegam às docas por ferrovias.

Também estão disponíveis informações por microrregião dentro de cada um dos estados. De acordo com o secretário-executivo do Mapa, Eumar Novacki, até o fim deste mês serão reunidas colaborações de outros ministérios com sugestões de rotas e de obras para o escoamento de produção. Já estão indicadas pela Embrapa dez intervenções prioritárias que precisam ser concluídas ou receber manutenção, entre rodovias, como a 163 e 080, ferrovias e hidrovias.

Veja também  Agroclima: Semana começa com tempo aberto em grande parte do País

O chefe da Embrapa Territorial, Evaristo de Miranda, destaca que o funcionamento do sistema será permanente e, com ferramentas de inteligência, gestão e monitoramento territorial, permitirá identificar a demanda por infraestrutura logística, tendo como principal critério o ganho de competitividade.

Detalhamento

A Embrapa Territorial produziu mapas com dados dos últimos 15 anos sobre área e volume de produção, quantidades exportadas e destinos das principais cadeias produtivas em cada microrregião, estado e região.

O sistema cruza dados numéricos, gera tabelas, gráficos e mais de 100 mil mapas dinâmicos. Inclui dados georreferenciados dos modais logísticos utilizados (rodoviário, ferroviário, aquaviário, dutoviário e portuário) para enviar a produção e receber insumos (fertilizantes, máquinas, defensivos). Também possui informações sobre milhares de estruturas de armazenagem e unidades processadoras identificadas e geocodificadas.

“Fizemos a separação em cadeias, porque cada uma tem sua logística, percorre rotas vinculadas, locais de processamento próprios e exporta por portos específicos”, explica o analista Gustavo Spadotti, da Embrapa Territorial.

Equipe SNA/Rio

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: