Após o Ministério da Economia decidir não renovar a cobrança tarifária antidumping sobre a importação de leite em pó, integral ou desnatado da União Europeia e Nova Zelândia, o setor leiteiro voltou a se manifestar mais uma vez nas redes sociais, indignados com esta decisão.

O produtor de leite Brasileiro já enfrenta uma situação desanimadora com a própria legislação do setor (Lei 12.669), que favorece as empresas beneficiadoras na precificação do leite. Em Goiás, a Comissão da Pecuária de Leite da Federação da Agricultura e Pecuária de Goiás (FAEG) reuniu cerca de 300 produtores de leite da região e elaboraram um documento “Carta dos Produtores de Leite de Goiás, para debater os desafios do mercado do leite, reivindicando a divulgação antecipada do preço do leite pela indústria, que atualmente só informa o valor no 20° dia do mês seguinte à entrega do produto.

Além disso, o cenário não é muito favorável ao pecuaristas de leite que em sua grande maioria, são produtores considerados de pequeno porte e que não tem capital suficiente para arcar com as despesas básicas da propriedade durante um período muito longo de atividade, muitos estão endividados, trabalhando para a sobrevivência, sem perspectivas de lucratividade.

Nas redes sociais, os produtores de leite lançaram um manifesto com a hastag #LEITENACIONAL, para sinalizar a insatisfação com o importação do leite Europeu. Vejam o depoimento do produtor Joel Dalcin, do município de Dr. Maurício Cardoso/RS, que é um dos líderes do movimento CONSTRUINDO LEITE BRASIL.

Entidades do setor começaram a se mobilizar para tentar reverter a situação ou conseguir uma contra-partida para a medida tomada pelo Governo Federal, na tentativa de diminuir os possíveis impactos da suspensão.

Veja também  Leite: reação nos preços do leite longa vida

Em conversa com o AGRONEWS BRASIL por telefone, o presidente da Associação Brasileira dos Produtores de Leite (Abraleite), Geraldo Borges, informou que é muito importante a união da classe neste momento, “Estamos trabalhando para sensibilizar o Governo de que a cadeia produtiva nacional já possuí custos e encargos que nos inviabiliza de sermos competitivos, ou seja, o nosso leite é o mais caro para se produzir, talvez do planeta”, explica.

Por Vicente Delgado – AGRONEWS BRASIL

Respostas

  1. Renata

    Acho que vai demorar para cair a ficha do que está acontecendo e do que significará o que o produtor de leite do vídeo chama de “liberalismo econômico”. Vejam o que já falaram em fazer com o Simples Nacional, tirar seus “privilégios” (sic) – se fizerem, pequenas empresas vão quebrar e serão engolidas pelas maiores. Não sei se o mesmo pode acontecer na área rural.

    Responder
  2. Marcos Carvalho

    Os produtores rurais SE ENGANARAM. Não é possível que não perceberam o que seria o programa liberal na economia do Sr. Paulo Guedes. SE acham que está ruim, aguardem porque vem mais por aí. Votaram em peso no que está aí… E agora vem reclamar??? Me poupem…. Assino em baixo dos comentários da Renata… Parabéns.

    Responder

Deixe um Comentário

Seu endereço de e-mail não será publicado.