Cada dia há mais possiblidades de abastecimento para os empacotadores que estão se digladiando, não na compra e, sim, do outro lado da mesa, com o varejo

Os produtores pensam que o problema está ali, no próximo elo da corrente, mas na verdade o tema é mais complexo. O fardo de Feijão de 30 quilos varia, e muito. Pode ir de R$ 70 até R$ 90 no Nordeste.

Em São Paulo, varia de R$ 90,00 até R$ 130,00. A primeira marca de cada empacotador, fora de áreas mais economicamente privilegiadas, vende muito pouco. As marcas de combate estão em promoção e nos encartes dos supermercados de todo o Brasil. Para o consumidor, nada melhor, após ter pago caríssimo no ano passado. Mas empacotadores e supermercados têm algo em comum, Feijão se torna um mal negócio. Empresas empacotadoras de arroz, que nos últimos anos têm diversificado seu mix, incluindo o Feijão, estão com péssimo humor, pois tanto o arroz como o Feijão estão com preços baixos. Com custo fixo alto, o faturamento baixo vai colocando o ano de 2017 como um dos piores nos últimos 5 anos. Há risco sistêmico de insolvência, ou seja, de calote mesmo, o que já atinge os menos capitalizados. Isto destaca a falta de gestão e direcionamento na cadeia produtiva.

Com o crescimento de áreas de plantio, há necessidade que haja planejamento, pois o produto é básico e dos mais importantes. Neste sentido, o IBRAFE apoiará e fará parte do Conselho Nacional do Feijão e Pulses, que está sendo formado hoje em Brasília com apoio de várias instituições. Organizar é o caminho ou seguiremos erráticos, ao sabor da sorte ou do azar, como em uma mesa de pôquer, só que jogando com a vida de milhões de pessoas.

Fonte: Ibrafe

Deixe um Comentário

Seu endereço de e-mail não será publicado.