A Federação da Agricultura e Pecuária de Mato Grosso (Famato) mobilizou na manhã desta terça-feira (20/12) representantes do setor produtivo do estado para discutir a proposta e a modificação da Lei do Fethab – Mensagem 91/2016 e a proposta do governo de Reforma Tributária, o aumento do ICMS da energia elétrica rural e do ICMS cobrado na saída de gado em pé para outros estados.

A Famato e a Associação dos Produtores de Soja e Milho de Mato Grosso (Aprosoja) não abrem mão de que 100% dos valores cobrados no Fethab 1 e Fethab 2 devem ser aplicados, única e exclusivamente, em obras de infraestrutura de logística do transporte, como construção, reestruturação e manutenção de rodovias estaduais.

Em princípio, a proposta do governo é de que 30% do Fethab 1 seja destinado para despesas obrigatórias, essenciais e outros investimentos do governo e 20% do Fethab 2 seja destinado para outras obras de infraestrutura de transporte.

“O Fethab é uma contribuição dos produtores rurais para o governo do estado e o que nós queremos é que essa contribuição, que já foi definida anteriormente, seja aplicada exclusivamente em infraestrutura de estrada. E isso não está acontecendo com o Fethab 1 e nem com o Fethab 2. Por isso estamos interagindo com a Assembleia Legislativa e com o Executivo para que os recursos do Fethab, das commodities de soja, algodão e do boi sejam aplicados exclusivamente em infraestrurara de estradas”, reforçou o presidente da Famato Rui Prado.

Outro ponto questionado pelo setor é o prazo de cobrança do Fethab adicional (Fethab 2). Para o setor o prazo deve ser até 31/12/2018 e na proposta do governo vai até 31/12/2022. Na avaliação dos produtores uma transição de governo pode interferir no que for acordado atualmente.

Veja também  Pecuaristas pedem análise da vacina contra febre aftosa

“Não podemos avalizar um governo que não sabemos qual vai ser, conhecemos o governador Pedro Taques, mas não sabemos se ele será reeleito ou se será outro. Quem garante que um novo governo, um novo secretário vai acatar o que foi acordado no governo anterior. Aceitar a proposta de cobrança até 2022 é dar um tiro no pé. Por isso queremos que o governo acate a nossa reivindicação que é até 2018”, disse o produtor rural Rogério Salles.

Os presidentes de sindicatos rurais pedem que os valores cobrados no Fethab 1 e 2 não entrem na Conta Única do Estado, mas, sim, que sejam destinados a uma conta específica, a partir de janeiro de 2017.

A Famato exibiu uma proposta de alteração na Reforma Tributária apresentada pelo governo do estado. Na avaliação da categoria o projeto deve ser votado somente no próximo ano para que haja tempo de discutir e avaliar as divergências e as emendas apresentadas pelos parlamentares.

Além da classe produtora, participaram da reunião o secretário de Estado de Infraestrutura e Logística (Sinfra), Marcelo Duarte, e os deputados estaduais, Dilmar Dal Bosco, Wagner Ramos, José Domingos e Zeca Viana.

Fonte: Ascom Famato

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: