Mais Milho é organizado pela Abramilho, Aprosoja e Canal Rural e visa debater produção, comercialização e tecnologia do grão.

O milho e suas possibilidades no Brasil serão os protagonistas do evento “Mais Milho”, que será realizado de forma inédita em Cuiabá, no dia 9 de dezembro. Organizado em uma parceria da Associação Brasileira de Produtores de Milho (Abramilho), Associação dos Produtores de Soja e Milho de Mato Grosso (Aprosoja) e Canal Rural, a entrada será gratuita e as inscrições já estão abertas.

Na programação, quatro painéis debaterão de variadas perspectivas como o milho pode avançar em produtividade, tecnologia, mercado e valorização do produto. “O mundo vai precisar cada vez mais de milho. Em Mato Grosso, por exemplo, temos superávit. Mas o objetivo é exatamente discutir como podemos fazer para termos mais produção, mais mercado e mais valor”, afirma o vice-presidente da Abramilho, Glauber Silveira.

Também haverá no evento a perspectiva política, com o painel “As políticas do Mapa para a cultura do milho”, com a presença do ministro de Agricultura, Pecuária e Abastecimento, Blairo Maggi, do líder da América do Sul pela Cargill, Paulo Sousa, e de representantes das BR Foods, JBS e Sindirações.

“Neste painel teremos o ponto de vista de quem está na iniciativa pública, como o ministro, mas também de quem comercializa, caso da Cargill, que poderá falar das políticas públicas aplicadas. Além disso, o painel pode auxiliar a entender como poderíamos estreitar as relações entre quem compra e quem comercializa o milho. Por que não, muito mais que exportar, uma empresa como a Cargill não pode pegar o produto aqui em Mato Grosso e levar até Santa Catarina ou Rio Grande do Sul? A Cargill pode ser a intermediária e garantir a segurança do preço do milho para o produtor”, explica Silveira.

Veja também  Vetoquinol assina contrato para aquisição da Clarion Biociências no Brasil

Produção, mercado e valor – Atualmente terceiro maior produtor de milho do mundo, segundo o Mapa, o Brasil pode superar este pódio. Para tanto, o Mais Milho será um divisor de águas dentro desta meta.

“Um dos painéis, o ‘Mais Produção – As tecnologias e manejo para a produção de milho’ tem o objetivo de discutir a tecnologia para aumentar nossa produtividade. Precisamos ter médias mais altas e temos potencial para chegarmos lá”, aponta Glauber Silveira.

Ainda neste painel, o evento contará com a presença do presidente da Monsanto, Rodrigo Santos, que irá falar sobre o que será lançado mais adiante no mercado. “A empresa hoje detém 50% do mercado de sementes de milho do Brasil”, explica Silveira.

No caso da discussão, o evento contará com a presença de representantes da Monsanto, Embrapa, Aprosoja e Senar. Outros dois painéis são “Mais Mercado – O Cenário do Mercado do Milho para 2017” e “Mais Valor – Como podemos diversificar e agregar valor à cultura do milho”.

No caso da discussão de mercado, comporão o debate representantes da Bolsa de Mercadorias e Futuros (BMF), Aprosoja, Companhia Nacional de Abastecimento (Conab), o diretor da Wedekin Consultores, Ivan Wedekin, o diretor geral da Bolsa Brasileira de Mercadorias (BBM), César Costa, e o secretário de Política Agrícola do Mapa, Neri Geller.

Para o painel sobre agregação de valor, em que terá em foco o etanol de milho, estarão presentes o secretário adjunto de Agricultura de Santa Catarina, Airton Spies, o superintendente do Imea, Daniel Latorraca, e representantes da Novozymes e Usimat. “Airton tem um super case de sucesso com o milho e a Usimat mostrará a experiência pioneira com produção de etanol de milho no país”.

Por todos os painéis e seus respectivos representantes, o Mais Milho deve se tornar um marco para discutir o que o Brasil faz e o que pretende fazer com o milho. “A Aprosoja, a Abramilho e Mato Grosso estão, como sempre, sendo protagonistas. Protagonistas com um projeto, junto ao Canal Rural, que certamente terá uma contribuição nacional. Assim como o caso do Soja Brasil, nosso estado lança um projeto que terá repercussão em outros estados”, finaliza Silveira.

Veja também  Receita Federal facilita obtenção de certidão negativa para produtores cadastrados no PRR

Fonte: Ascom Aprosoja

Deixe um Comentário

Seu endereço de e-mail não será publicado.