Expectativas positivas para o ciclo 2017/18 da soja incrementam compras de fertilizantes; entregas avançam 1% em 2017

Segundo dados do Siacesp/ANDA, as entregas de fertilizantes aos consumidores brasileiros totalizaram 34,44 milhões de toneladas no acumulado de 2017. “Este valor representou um avanço de 1,0% em relação à 2016 e tornou-se o maior volume de fertilizantes destinado aos produtores do país em toda a série histórica”, explica o analista de mercado da INTL FCStone, Fábio Rezende.

A consultoria ressalta que cerca de 34% destas entregas se concentraram no terceiro trimestre do ano passado, já que produtores estavam focados nas compras para o cultivo da soja 2017/18. “Com as boas expectativas para o ciclo atual da oleaginosa, 11,66 milhões de toneladas de adubo foram vendidas entre julho e setembro/17, aumento de 3,3% em comparação ao mesmo período do ano anterior”, explica Rezende.

Especificamente o estado do Mato Grosso mais uma vez se destacou como o principal recebedor de fertilizantes no ano passado. Entre janeiro e dezembro, aproximadamente 6,79 milhões de toneladas foram destinadas aos produtores mato-grossenses, o que representa 19,7% do total do país.

São Paulo, Rio Grande do Sul e Paraná também foram destaque no cenário nacional. No último ano, produtores paulistas receberam 4,27 milhões de toneladas, 6,2% a mais que o acumulado de 2016.

Enquanto produtores gaúchos aumentaram em 1,2% as suas compras no período, para 4,24 milhões de toneladas, os paranaenses observaram um recuo de 5,3% nos recebimentos, para 4,10 milhões de toneladas.

Entregas por nutrientes

Os três principais nutrientes (nitrogênio, fósforo e potássio) apresentaram aumento nas entregas. Os nitrogenados totalizaram 4,38 milhões de toneladas, um leve avanço de 0,3% na comparação anual. Os fosfatados tiveram o maior aumento, de 3,0%, para 5,13 milhões de toneladas, seguidos dos fertilizantes potássicos, que somaram 5,85 milhões de toneladas (+1,9%).

Veja também  Frango: Tendências das exportações no 4º trimestre

Apesar dos aumentos, a fórmula média de 2017 contou com uma redução de 0,8% na participação do nitrogênio, para 12,71%. O P2O5 e o K2O seguiram em tendência oposta, com participações de 14,9% (+1,8%) e 17,0% (+1,1%), respectivamente.

Por INTL FCStone

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: