Inovação e desenvolvimento de sistemas integrados colocam Mato Grosso também na liderança da produção de proteínas, posição que o estado já ocupa no setor de grãos.

Apesar dos desafios logísticos, o produtor da região médio-norte do estado já consegue uma produção com custo bem menor do que o de outras regiões tradicionais do país. Mesmo com as longas distâncias para portos e regiões consumidoras, como a Grande São Paulo, o produtor mato-grossense é compensado pela economia na compra da alimentação para os animais.

Essa avaliação faz parte de estudo de Adolfo Fontes, analista de proteína do Rabobank. Especializado em agronegócio, o banco vem fazendo um raio-x das possibilidades agroindustriais do estado.

Até 2023, o crescimento médio anual da produção de carne bovina será de 5% no estado, atingindo 1.7 milhão de toneladas naquela data. Já a produção de carne de frango terá evolução de 9%, somando 757.000 toneladas, e a suína irá para 305.000 toneladas, com crescimento anual de 7%.

Para Fontes, em 2023, Mato Grosso produzirá 2.76 milhões de toneladas dessas proteínas, 39% da produção nacional. Com isso, o estado será responsável por 15% da produção total de carne bovina do país, 5% da de frango e 7% da suína.

A opção dos produtores de Mato Grosso por uma produção maior de proteínas ocorre exatamente por causa do custo da logística. O produtor agrega valor ao produto local e transporta volumes menores.

Além disso, a disponibilidade de ração aumenta ano a ano na região. Se todos os projetos de fabricação de etanol de milho já programados forem implementados, o estado consumirá 4.7 milhões de toneladas de milho, o que irá gerar 1.2 milhão de toneladas de DDGS (coproduto derivado de milho na produção de etanol).

Veja também  Abertura do mercado dos EUA para carne bovina pode revolucionar pecuária no Brasil

O preço dessa matéria-prima ainda não está definido para o estado nos próximos anos, mas a expansão da indústria de etanol de milho trará mais uma garantia de nutrientes para a nutrição animal.

Além de um forte abastecedor do mercado interno, o estado se consolidará como exportador de proteínas, na visão do analista. A produção de proteínas em propriedades com economia circular, onde os resíduos animais se tornam coprodutos, insere a carne em um modelo sustentável.

Essa produção reduz o impacto ambiental e eleva o interesse de consumidores que buscam produtos sustentáveis.

Por Mauro Zafalon – Folha de São Paulo

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: