O dólar subia levemente ante o real no início do pregão desta segunda-feira, com investidores buscando a segurança da divisa norte-americana em meio à cautela no exterior diante de possibilidade de nova paralisação do governo dos Estados Unidos incerteza nas negociações comerciais entre EUA e China

Às 10:47, o dólar avançava 0,18 por cento, a 3,7407 reais na venda, após fechar na sexta-feira com alta de 0,63 por cento, a 3,7340 reais.

O dólar futuro tinha alta de 0,25 por cento.

“O comportamento da moeda está relativamente tranquilo neste pregão. No cenário externo, de uma maneira conturbada, volta a haver ruído com relação à paralisação no governo dos Estados Unidos”, afirmou o economista-sênior do Banco Haitong, Flávio Serrano.

Era esperado que democratas e republicanos chegassem a um acordo sobre a segurança na fronteira com o México até esta segunda-feira, dando tempo para que a legislação tramitasse na Câmara e no Senado e fosse assinada pelo presidente dos EUA, Donald Trump, antes de sexta-feira, quando expira o prazo de financiamento para o Departamento de Segurança Interna e outras agências do governo federal.

Em relação às negociações comerciais, Estados Unidos e China deram início nesta segunda-feira a mais uma rodada de discussões, com autoridades dos EUA em visita a Pequim.

Crescem as preocupações de que as conversas podem não encerrar a disputa comercial entre as duas maiores economias do mundo, uma vez que representantes norte-americanos pressionarão a China a alterar o tratamento à propriedade intelectual das empresas dos EUA.

Há uma expectativa de que os países prorroguem o prazo de 1º de março, quando está programado um aumento das tarifas dos EUA sobre produtos chineses.

O mercado também segue atento para novas sinalizações sobre desaceleração na economia global. O crescimento econômico do Reino Unido atingiu em 2018 o pior nível desde 2012, impactado por incertezas ligadas ao Brexit, outro ponto que segue sendo monitorado.

Veja também  VBP do frango no biênio 2017/18 sofreu sensível redução

Do lado doméstico, participantes do mercado estão em compasso de espera sobre a reforma da Previdência até que o presidente brasileiro, Jair Bolsonaro, se recupere e deixe o hospital após cirurgia de reversão da colostomia.

A avaliação é a de que, enquanto Bolsonaro não retornar a Brasília, não deve haver avanços no que diz respeito à reforma, mas o mercado monitora qualquer nova informação sobre o teor do texto.

“O mais importante são os anúncios oficiais, mas o mercado monitora tudo, qualquer informação pertinente à reforma pode ter um impacto”, afirmou Serrano.

Após um viés mais otimista com relação à Previdência no fim de janeiro e início de fevereiro, na semana passada o mercado calibrou apostas e passou a trabalhar com tal percepção, somado à possibilidade de que a matéria não tramitará na rapidez esperada antes.

O Banco Central realiza nesta segunda-feira leilão de até 10,33 mil swaps cambiais tradicionais, correspondentes à venda futura de dólares para rolagem do vencimento de março, no total de 9,811 bilhões de dólares.

Por Laís Martins/ Reuters

Deixe um Comentário

Seu endereço de e-mail não será publicado.