Comparativamente à semana inicial do mês, também com cinco dias úteis, as exportações de carnes da terceira semana de abril (15 a 21, cinco dias úteis) caíram praticamente à metade

Acabaram puxando para baixo a receita cambial do período que, em 15 dias úteis (de um total de 21 dias úteis em abril), recuaram a uma média diária de US$46,486 milhões, um quarto e um quinto a menos que os valores registrados, respectivamente, no mês anterior e no mesmo mês de 2017.

Os volumes registrados nesses 15 dias sinalizam, para a totalidade do mês, 38,6 mil/t de carne suína, 80,2 mil/t de carne bovina e 268 mil/t de carne de frango. O que, se confirmado, irá significar que as três carnes apresentaram sensível redução em relação ao mês anterior. A carne suína, de 20%; a bovina, de quase 34%; e a de frango, de mais de 23%.

Já em relação a abril de 2017, a redução afeta as carnes suína e de frango, a primeira com uma queda superior a 13% e a carne de frango com cerca de 9% a menos. Ou seja: apenas a carne bovina deve registrar alta anual no volume embarcado (o sinalizado por ora é algo próximo dos 15%), mas somente porque em abril do ano passado foi registrado o menor volume em cerca de três anos (70 mil/t).

Em resumo: a primeira impressão era a de que a forte queda registrada na semana fosse decorrência dos embargos enfrentados pela carne de frango. Mas, como se constata, as três carnes enfrentam problemas. O que não elimina a possibilidade dessa redução estar relacionada à questão do frango. Afinal, ocorrências do gênero refletem-se sobre todo o mercado de carnes. Podem incidir, até mesmo, nas exportações de pescados.

Veja também  Desempenho externo das carnes in natura em março de 2019

Desempenho externo das carnes na 3ª semana de abril 2

Deixe um Comentário

Seu endereço de e-mail não será publicado.