Mercado Financeiro

Carne: China compra mais e exportações totais aumentam 10%

A China aumentou suas compras de 109 mil toneladas em outubro para 123 mil toneladas em novembro.

Com as compras chinesas voltando a aumentar em relação ao mês anterior, as exportações totais de carne bovina (in natura + processada) cresceram 10% em volume e praticamente empataram nas receitas em novembro, mantendo a previsão de um crescimento em 2020 próximo de 10% em volume e de aproximadamente 15% nas receitas.

As informações são da Associação Brasileira de Frigoríficos (ABRAFRIGO) que compilou os dados divulgados pelo Ministério da Economia, por meio da Secretaria de Comércio Exterior (Secex/Decex). A China aumentou suas compras de 109 mil toneladas em outubro para 123 mil toneladas em novembro.

Recorde em 2020

Segundo a ABRAFRIGO, a exportação atingiu o recorde no ano com uma movimentação de 197.852 toneladas e receita de US$ 844,8 milhões. Em 2019, as exportações de novembro foram de 180.214 toneladas e a receita de US$ 841,9 milhões. No acumulado do ano, as exportações atingiram a 1.848.067 toneladas contra 1.701.032 toneladas no mesmo período de 2019, crescimento de 9%. As receitas, por sua vez, alcançaram a US$ 7,7 bilhões até novembro de 2020 contra US$ 6,8 bilhões até novembro de 2019, crescimento de 14%.

Com essa movimentação, o mercado chinês importou até agora 57,9% da exportação total brasileira de carne bovina, contra 43,2% em 2019, somando-se as operações realizadas pelo continente e pela cidade estado de Hong Kong. Em volume, a China movimentou até novembro de 2019 o total de 734.617 toneladas. Até novembro de 2020 essa movimentação subiu para 1.071.273 toneladas.

Outros compradores

Depois da China o maior comprador do produto foi o Egito, com 122.753 toneladas até novembro (queda de 23,7% em relação a 2019). Na terceira posição veio o Chile com 56.373 toneladas (-21,1%); em quarto lugar ficou a Rússia, com 56.373 toneladas (-14,8%). Em quinto lugar está os Estados Unidos, que aumentou suas compras para 54.384 toneladas (+ 52,6%). Em seguida vieram a Arábia Saudita com 38.584 (- 1%) e Emirados Árabes (38.137 (-45,3%).

No total, 82 países aumentaram suas aquisições enquanto outros 90 reduziram as compras.

Por: Norberto Staviski – ABRAFRIGO

AGRONEWS BRASIL – Informação para quem produz

peixe br
Mostrar mais

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Artigos relacionados

Botão Voltar ao topo