Itamaraty vai entrar com consulta nos próximos dias; exportação de adoçante brasileiro para o país caiu 90% depois de aplicação de taxas extras

 

O governo brasileiro vai recorrer à Organização Mundial do Comércio (OMC) nos próximos dias contra sobretaxas aplicadas pela China ao açúcar.

O Ministério das Relações Exteriores informou ao G1 que já está preparando o documento para ingressar com consulta ao país asiático junto ao órgão, a pedido da Câmara de Comércio Exterior (Camex).

A Camex acolheu no fim de agosto uma solictação do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) para questionar barreiras chinesas à importação de açúcar junto à OMC.

O governo chinês aplica desde maio de 2017 uma tarifa adicional de 45% ao imposto de importação sobre o açúcar, totalizando um taxa final de 90% tanto para o produto bruto quanto para o refinado. Desde a implementação da medida, as exportações de açúcar brasileiro para a China caíram cerca de 90%, segundo o Mapa.

O Brasil já foi o principal exportador de açúcar para a China, respondendo por mais de 60% de todo adoçante importado pelo país.

Feito o pedido pelo Itamaraty, a China terá 10 dias para aceitá-lo e, depois, mais 60 para tentar chegar a um acordo com o Brasil. Caso o acordo não seja feito, o governo ganha o direito de abrir um painel na OMC.

Fonte: G1

Veja também  Moagem de cana no Centro-Sul deve atingir menor volume desde 2014/15

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: