Em uma solenidade realizada na manhã de terça-feira (05/07), em Cuiabá, a Superintendência de Negócios Varejo do Banco do Brasil Mato Grosso, lançou o Plano Safra 2016/2017. O evento realizado no auditório da Associação dos Produtores de Soja e Milho de Mato Grosso (Aprosoja), contou com a participação da Federação da Agricultura e Pecuária de Mato Grosso (Famato) e representantes do setor produtivo do estado. Durante o evento os participantes assistiram, através do Canal Rural, a transmissão ao vivo do lançamento nacional do plano, em Brasília.

O presidente do Banco do Brasil, Paulo Rogério Caffareli anunciou a oferta de R$ 101 bilhões para todo o país. Do total de recursos para produtores e cooperativas, R$ 71,1 bilhões serão para operações de custeio de comercialização e R$ 19,9 bilhões para créditos de investimento agropecuário.

O compromisso e a previsão feita pelo Banco do Brasil é de aplicar dos volumes totais dos recursos disponibilizados R$ 6,6 bilhões em Mato Grosso, sendo R$ 4,8 para agricultura empresarial e R$ 1,8 para agricultura familiar. Comparado à safra passada houve um aumento de 14%. “Isso mostra que Mato Grosso está na vanguarda do país em termos do agronegócio, então a decisão de iniciar a implantação de algumas agências especializadas é fruto da nossa relevância no país. Mato Grosso tem uma importância significativa, por isso que agente tem sido observado pelas nossas diretorias nas decisões do foco do agronegócio”, disse o gerente de negócios do Banco do Brasil, José Rui.

Conforme o gerente os recursos já estão disponíveis. “A partir de hoje os produtores rurais podem procurar as nossas agências. Nossos funcionários estão preparados para recebê-los”, anunciou Rui.

O superintendente em exercício, Alex Godoy disse que nesse segundo semestre de 2016 e no primeiro semestre de 2017 haverá um grande esforço de investimentos para o estado. “Nosso grande objetivo é investimento. O banco tem desenvolvido, no estado, através de várias entidades, convênios para facilitar principalmente a aquisição de máquinas agrícolas”, disse Godoy.

Veja também  Chuva beneficia café no Brasil, mas maturação da próxima safra preocupa

José Rui explicou que dos R$ 101 bilhões anunciados, R$ 10 bilhões são para agroindústria. E para os produtores rurais pessoa física o custeio de comercialização é de R$ 71 bilhões, sendo R$ 65,6 com recurso controlado, juros de 9,5%, e R$ 5,5 bilhões de taxas livres. Se tratando de investimentos, são R$ 19,4 bilhões em recurso controlado e R$ 500 milhões em juros livres. “E se a pessoa desejar um montante maior o banco tem mais recursos para oferecer com outras taxas”, disse o gerente.

O gerente de negócios explicou o procedimento padrão para obter os benefícios. “O primeiro recurso que o produtor vai ter acesso é o controlado, não é permitida nenhuma outra operação antes do banco oferecer todo o teto que o cliente tem e pode tomar no recurso controlado”, esclareceu José Rui.

Para este ano as taxas tiveram um aumento de R$ 0,75% em operações de comercialização e custeio, e 1% nas operações de investimentos. Anteriormente era pago 8,75% e agora vai pagar 9,5% no custeio, e os programas de investimento como o PCA, por exemplo, passa de 7,5% para 8,5% a.a .

Desde o dia 1° de julho passou a vigorar um novo teto para os limites de custeio com recursos controlados no valor de R$ 3 milhões. Desse valor 60% deverá ser tomado até 31 de dezembro. E os outros 40% poderá ser acessado a partir de janeiro de 2017.

A Analista de Agricultura da Famato, Karine Machado avalia que esse limite de R$ 3 milhões ainda precisa ser avaliado. “Na prática é apenas um incremento de 600 milhões no limite do custeio para o financiamento da safra e a manutenção dos 1.2 que tínhamos no plano safra passado para o custeio da segunda safra, incluindo nesse limite ainda todo o custeio pecuário, cuja desvinculação foi solicitada pelas entidades representantes do agro de MT e ainda não foi atendido pelo Ministério da Agricultura Pecuária e Abastecimento”.

Veja também  Mapa cria ferramenta de risco de clima

Participaram da solenidade representantes da Secretaria de Estado de Desenvolvimento Econômico (Sedec), Aprosoja, Fetagri, Empaer, Agriplan, Associação dos Agrônomos de Mato Grosso, Acrismat e Secretaria de Estado de Agricultura Familiar (Seaf).

 

Deixe uma resposta

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

%d blogueiros gostam disto: