EspecialistasNotícias

Bactéria E. coli é a principal agente de infecções intestinais em leitões

Cuidados com sanidade das granjas são essenciais para evitar presença da E. coli. Quando a bactéria já está presente, a marbofloxacina é o tratamento recomendado pela Vetoquinol Saúde Animal

A Colibacilose é um termo genérico que abrange várias doenças associadas com cepas patogênicas de Escherichia coli. Embora a E. coli faça parte da microbiota intestinal, alguns sorotipos podem ser associados com patologias intestinais e extra-intestinais no homem e nos animais. Em suínos, a E. coli é responsável por septicemia, diarreia e doença do edema.

Siga-nos: Facebook | Instagram | Yoututbe

A diarreia por E. coli é uma das principais causas de morbidade e mortalidade em suínos, do nascimento ao desmame. “Diversos estudos demonstram que a Escherichia coli é o mais importante patógeno envolvido nas diarreias bacterianas em leitões. A E. coli está amplamente distribuída no ambiente do suíno, mas a presença em pequeno número normalmente não leva ao desenvolvimento da diarreia no leitão. Os sintomas da infecção por E. coli são diarreia aquosa, fezes amarelas esbranquiçadas e mortalidade”, explica André Buzato, gerente técnico da área de suínos da Vetoquinol Saúde Animal, uma das 10 maiores empresas do ramo no mundo.

suíno
Leitão – Arquivo Agronews

A prevenção, embora possa envolver alguns custos, é uma estratégia que não pode ser descartada ou deixada em segundo plano. As principais medidas preventivas são vacinações das fêmeas contra colibacilose durante a gravidez; boas práticas de higiene na maternidade; boa lactação das mães e a ingestão de colostro pelos leitões recém-nascidos; instalações com temperatura e ventilação adequada.

Tratamento – Para o controle da E. coli, a Vetoquinol Saúde Animal indica Forcyl, antibiótico de dose única que trata, com eficácia, infecções intestinarias causadas pela bactéria em leitões. Forcyl é injetável e tem como princípio ativo a marbofloxacina que, combinada com uma alta concentração plasmática, evita o fortalecimento do agente bacteriano. Outra característica importante de Forcyl é o baixo período de carência: apenas nove dias, informa Buzato. “Essa é, portanto, uma solução de ação rápida e que evita grandes perdas para o produtor”, conclui.

AGRONEWS BRASIL – Informação para quem produz

Leia também: https://agronewsbrasil.com.br/desafio-do-leite-william-bonner-e-desafiado-a-participar-deste-movimento/

ABRALEITE
Mostrar mais

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Artigos relacionados

Botão Voltar ao topo